• Início
  • Dia a Dia
  • Em cinco dias órgãos ambientais registram quase seis mil focos de incêndio no Amazonas

Em cinco dias órgãos ambientais registram quase seis mil focos de incêndio no Amazonas

(Foto: Mário Oliveira/ Semcom)
MANAUS – Órgãos ambientais municipal, estadual e federal apresentaram na segunda-feira, 5, ao prefeito de Manaus, Artur Neto – PSDB, o boletim de Monitoramento de Focos de Calor, gerado operacionalmente pela equipe de monitoramento de queimadas por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. De acordo com os dados coletados entre 30 de setembro e 5 de outubro, foram registrados 5.899 focos de queimada no Amazonas.

De acordo com o boletim, a cidade campeã em registro de queimadas é Careiro Castanho, no interior do Amazonas, enquanto que Manaus aparece na 32a posição do histograma. Há quase uma semana Manaus vem sofrendo com o excesso de fumaça na atmosfera, o que tem despertado atenção total das autoridades por conta dos efeitos na saúde da população. A reunião aconteceu no Palácio Rio Branco, no Centro da cidade.

Entre 1o de setembro e 5 de outubro foram registrados 38.510 pontos de queimadas, os maiores números de queimadas foram registrados nos municípios de Apuí, Lábrea, Manicoré, Boca do Acre e Careiro. Todos estes municípios, aliados ao vento, têm contribuído para causar o fenômeno que vem deixando a capital amazonense enfumaçada nos últimos dias. “Não podemos nos eximir das responsabilidades, mas fica claro que as queimadas fora de Manaus, principalmente, têm causado esse problema que a nossa capital vem sofrendo”, disse o prefeito.

“Por isso convoquei essa reunião, para procurarmos entender melhor essa situação e buscar soluções. As queimadas no interior do Estado, aliadas ao fenômeno El Niño, deixam Manaus sensíveis a tudo isso. Temos que nos unir para combater esta situação. Somente juntos, poder público e população, conseguiremos mudar esta realidade”, acrescentou Artur Neto. O secretário municipal de Meio ambiente, Itamar Mar, explicou que a Prefeitura monitora as queimadas na capital e que o trabalho que é feito para alertar sobre o perigo da prática está sendo intensificado.

A queima do lixo doméstico lidera as denúncias recebidas pela Semmas. De acordo com a Diretoria de Fiscalização, de janeiro a setembro deste ano, foram recebidas 231 denúncias, que geraram 56 autos de notificações, apenas com caráter de orientação. Destas, 84 foram registradas apenas nos meses de agosto e setembro. “Fazemos trabalhos junto ao grupo de gestão integrada para combater as queimadas em Manaus. Estamos intensificando o trabalho de sensibilização para que a população se conscientize cada vez mais. Infelizmente as pessoas ainda queimam muito lixo em casa”, disse Itamar Mar.

O problema se agrava ainda mais no interior. Segundo o superintendente do Ibama, Mário Lúcio Reis, é necessário que também se trabalhe uma mudança de cultura nos municípios, principalmente em áreas de pecuária intensiva. “O Careiro Castanho, seguido de Careiro da Várzea e Autazes são os que mais representam esse número elevado de queimadas. É preciso mudar isso. O pecuarista ainda pensa que o fogo contribui para sua atividade, mas acaba causando um problema de saúde pública”, assinalou. O Ipaam informou que tem intensificado as operações de fiscalização nos municípios de Humaitá, Lábrea, Manicoré e Apuí. A ação conta com o apoio do Batalhão Ambiental, Ibama e Polícia Militar.